segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Mais Resumão - Geral do que vem por aí

Bom, dito um brevemente um geralzão sobre o que se passou entre EUA e Europa, ainda tem China e as commodities que nos geram dúvidas.
Com a fraqueza dos EUA e Europa, as exportações chinesa devem desacelerar ainda mais, como mostram os últimos dados econômicos.
Os fundamentos mostram que o pico de crescimento da China já atingiu o máximo, tanto pelos investimentos passados, quanto pela desaceleração dos principais parceiros comerciais. Daí que entram as commodities e sua vulnerabilidade. Se a China decidir que não construirá mais fábricas, o consumo de commodities para construção de infra-estrutura reduzirá. Porém continuarão a consumir commodities para produção de bens e manufaturados e alimentação.

Ainda tem risco geopolítico dos países do Oriente Médio que vivem em alerta de guerra (se não em guerra) e as tensões em relação ao petróleo.

Fora isso, ainda tem os fenômenos naturais que não podem ficar de fora. Ela mesmo!! La Niña voltou!! Esse fenômeno climático que se refere a temperaturas mais frias que as normais no Oceano Pacífico e precipitações acima do normal no sudeste asiático, no norte e leste da Austrália e maior chances de ciclones tropicais. Isso tudo que La Niña pode proporcionar ao planeta Terra gera um grande impacto na produção de commodities. Mineradoras, agricultores e criadores de gado estão bem preocupados com a dama do tempo.
Ainda tem meteorologistas que acreditam a "Oscilação do Ártico" podem ser importantes para determinas temperaturas nos próximos meses, como o rigoroso frio que atingiu parte dos EUA e pode acabar com algumas plantações.

Eventos naturais, tem ocorrido mais frequentemente que imaginávamos e o risco desses tem sido ignorados. Mas os impactos econômicos e financeiros que atingiram o Japão por exemplo em março de 2011 vão além das fronteiras do país afetado. Por isso planejamento para catástrofes naturais começam a tornar também parte importante para formulação de estratégias. 

Isso nos deixa também uma lição importante: VAMOS NOS PREPARAR PARA O INESPERADO.















O Cisne negro é uma expressão cunhada por Nassim N. Taleb autor do livro A Lógica do Cisne Negro que é algo que não se consegue prever.  Esse livro é muito lido pelo pessoal do mercado financeiro.