terça-feira, 22 de agosto de 2017

Virando a vida.

Menos de 1 mês para completar 5 anos de namoro decido colocar um basta neste relacionamento! 
Muitos se questionam sobre isso, afinal minha vida era quase um livro aberto nas redes sociais. Mas o pior é que ME questionam também. Às vezes é chato falar... às vezes não me incomoda em dizer sobre isso. Mas o fato é que não tomei essa decisão de repente, nem da noite para o dia então pode parecer superficial qualquer coisa que eu diga. 
Não foi apenas um motivo único ou algo específico que aconteceu para acometer a este fim. 
Parece clichês mas realmente foram dezenas de acontecimentos. Muitos acontecimentos partiram dele outros tantos de mim. 
Eu só tive a coragem de colocar um ponto final em algo que não estava mais legal para ambas as partes. 
Como disse lá em cima, minha vida era um livro aberto nas redes sociais principalmente porque o ex gosta muito de postar fotos, escrever, desabafar e compartilhar 'in real time' sua vida. Quase um reality show. 

Entretanto, como grande parte das pessoas, compartilhamos aquilo que nos convém. Mostramos apenas aquilo que queremos mostrar e aquilo que queremos que as pessoas vejam.
Os bastidores ninguém quer divulgar. 
E é exatamente o que acontecia nos bastidores que me fez me posicionar de tal forma. 
Eu tomei essa decisão pois eu não sabia e não queria lidar com algumas coisas. Escolha minha mesmo. 
Não me arrependo. Acredito que tudo acontece no tempo certo mesmo. Eu já havia tentado terminar outras vezes, mas sem sucesso. Quis tentar mais talvez. Quis esgotar com as possibilidades e pode ser por isso que me sinto segura e confiante de tal decisão. 

Não me sinto fracassada por estar com 34 anos e solteira. Ou por mais um namoro ter chegado ao fim. Na verdade me sinto vitoriosa por levar um namoro por tanto tempo. 
A experiência foi engrandecedora. Cresci, aprendi, descobri sentimentos que nem imaginei que eu possuía. Principalmente amadureci, e cheguei à conclusão que temos sim o poder, o direito e o dever de sermos felizes e só depende de nós. 
Nem sempre nossas decisões agradarão a todos inicialmente. 
Felizmente a vida não é justa. Felizmente porque isso nos dá outra lição: faça o que tiver que fazer, com humildade e dignidade que tudo fluirá da melhor forma. 
Me vejo como uma mulher corajosa que não empurrou um relacionamento com a barriga simplesmente  porque me considero 'velha' ou sem opções e oportunidades. 
Vejo que muitas pessoas fazem isso com suas vidas, independentes de sua condição social ou intelectual. Fazem isso por medo e insegurança que no final se traduz como covardia. Passam uma vida toda infelizes por viverem em suas zonas de conforto e temerem as mudanças. 

Sempre ouvi que Deus abençoa as pessoas de coragem e comigo não será diferente. 

Foi uma mudança grande mas sinto-me recompensada, forte e grata. Tudo vale a pena principalmente para aqueles que superam seus medos. Hoje estou feliz comigo, com minhas decisões e crente que o tempo trará tudo a que a mim for merecido. Mas insisto em dizer que tenho tanta confiança assim porque fiz o que tinha que fazer baseada nos meus valores e com humildade e dignidade. 
=)
Tudo sempre acaba bem!


sábado, 8 de julho de 2017

O propósito com amor

Hoje eu comecei a ler o livro do Sri Prem Baba que chama Propósito.
Não estou aqui para comentar o livro, mesmo porque li apenas 4 ou 5 paginas até agora.
Mas o que ele diz neste início de livro é que nosso propósito de vida basicamente é a expansão do amor. Estamos aqui para amar e aprender sobre o amor.
Incrível, né!? Mas faz total sentindo para mim.
Não à toa que grande parte de nós, seres-humanos, queremos ter filhos. O filho externa e aflora nosso amor. Antes, achávamos que estávamos aqui na terra pra procriar e dar continuo a espécie. É por isso que o filho era tão exigido pela sociedade. Uma obrigação e um legado deixado aqui.
Nos dias atuais com tanta informação a nossa disposição, percebemos uma mudança. Muitos ainda querem filhos e família! Isso é ótimo. Mas cada vez mais vemos pessoas desistindo da procriação e se perguntando muito mais o que fazemos aqui na Terra. Porque estamos aqui? Porque???
Talvez por estarmos longe de ter atingindo nossa missão aqui, tivemos que mudar nossa estratégia de amar e aprender a amar. Não focamos mais tanto em ter filhos e viver somente para eles. Mudamos nossas ambições e aspirações. Queremos muito amar e transmitir o amor, mas de outras maneiras que não se restringem ao âmbito familiar.
O amor que parece um sentimento tão intrínseco ainda não conseguimos senti-lo tão plenamente e nem dar tão intensamente quanto achamos que damos. Não conseguimos amar tão altruistamente ou como se diz pelas redes sociais: amo incondicionalmente! Creio que temos que galgar um pouco mais.
Mas certamente estamos no caminho e creio eu, no caminho certo.


quarta-feira, 7 de junho de 2017

Já faz um tempo que não passo por aqui!

Realmente quando a vida está mudando e vamos ao mesmo tempo mudando, nossos sentimentos ficam bem confusos e parece que vamos sucumbir.
É nesse momento que vemos quão forte somos...
{Nóix é ruim, bichão!} como eu mesmo já dizia. E essa expressão significa que pode o mundo cair, que somos duro na queda. Aguentamos qualquer pancada... Sustentamos a cruz que vier!
Isso tudo nos fortalece.

Tanta coisa tem acontecido: comprei um cachorro LINDO! Parece um vira-lata, mas juro que tem Pedigree; a reforma do apartamento está a todo vapor... comecei na lua crescente para não ter risco de parar e olha que esta dando mega certo!!! {se a Lua faz os nenéns nascerem, certeza que ela resolve a vida das pessoas, se acompanharmos de pertinho! hehe}; meu trabalho está cada dia mais desafiador.

Mas no final, a conta está fechando e vamos andando pra frente.

=)

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Trabalho em Família

Se eu tiver que relatar uma experiência em minha vida, caro coleguinha, é sobre trabalhar em família.
Minha vida profissional começou quando eu tinha 17 anos e saia do colegial {hoje, no auge dos meus 33 aninhos, nem sei mais qual seria a nomenclatura para tal}. 
Trabalhei na empresa dos meus pais por 04 anos e então arrumei um estágio relacionado à faculdade que fazia: hotelaria.
Sim! Fui ser hoteleira. Na verdade mesmo eu era recepcionista, mas hoteleira fica mais glamouroso.
Ganhava pouco mas me divertia, apesar que não me recordo quando ganhei muito.
Enfim... fiquei 10 anos fora da empresa familiar de meus pais. Fui hoteleira por apenas 2 anos e fiquei 08 anos num escritório de gestão de investimentos. Era legal. Mas senti que eu precisava de algo mais. Por algum motivo que não sei explicar bem, fiquei acomodada e isso me cansava. Pedi as contas e então meu pai disse que era hora de eu voltar a trabalhar com eles em nossa empresa.
E assim se fez...
Um adendo que posso dizer é que eu nunca realmente escolhi meus empregos. Sempre fui correndo, abraçando uma oportunidade com receio de ficar desempregada. Também não sei explicar todo esse meu medo de ficar desempregada, afinal meus pais podem até hoje me sustentar sem eu desprender de nenhum real do meu bolso, como é feito até hoje. 
Sim! É uma vergonha... mas é a minha vida. E eu até que gosto de não ter essa preocupação na vida.

Na verdade depois que voltei a trabalhar com meus pais, após 10 anos trabalhando como uma mera empregada, descobri que minha vida era simples até então. 
Ganhava meu salário, bônus, 13º salário... Trabalhava e sonhava com a próxima viagem. Trabalhava e me programava para o final de semana. Trabalhava e curtia basicamente. Mas eu sentia um vazio.
Sentia que não era produtiva o suficiente e que poderia ser mais. Talvez que eu tivesse me acostumado com o trabalho ou talvez por que lá era um escritório pequeno, não via onde mais poderia crescer... vai saber! Eu gostava muito de lá, mas sentia que meu tempo já tinha dado.
Ah! Que saudades daquele tempo. 

Quando comecei a trabalhar com meus pais, foi o primeiro dia útil de 2015. Foi quando vi a realidade bater a minha porta. 
Pensava que teria horários mais flexíveis - contanto que eu esteja na empresa, é flexível.
Até aceitava ganhar menos, mas contato que trabalhasse menos - que ilusão!!! Trabalhe mais e ganhe menos, afinal eu vou herdar a empresa. Eu e meu irmão! Sabe aquele sonho de ser herdeira: então!! Eu serei... Herdarei trabalho que não acaba mais. 

Muitos acham que trabalho em família é fácil. Porque pai e mãe sempre relevam tudo.
Realmente não posso reclamar dos meus. Eles sempre me apoiaram em tudo, mas quando o lance é trabalhar para nossa empresa, as coisas mudam de figura. Não é tão simples.

Mas isso eu falo depois que esse aqui já esta grande demais.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Escolher

"Não o fizemos nem do céu nem da terra,
nem mortal nem imortal,
para que possa, com o livre-arbítrio e com honra, 
como se fosse o criador de si mesmo, 
moldar sua vida em qualquer forma que preferir.
Pelo julgamento de sua alma, você tem o poder
de renascer nas formas superiores que são divinas."
Discurso de Deus a Adão, na oração sobre a dignidade do homem, de Pico Delia Marandola


Eu estou lendo um textão {que na verdade é um pedaço de um livro que eu não sei o nome} sobre valores pessoais e havia esse trecho acima que é tão tão claro, mas pouco entendido pela humanidade.

Tudo na nossa vida são escolhas, exatamente tudo. Às vezes achamos que não podemos, que não temos escolhas, mas eu sinceramente não acredito nisso.
Acredito em escolhas compartilhadas, como aquelas feitas em casal, por exemplo.
Muitas pessoas pensam que quando arrumarem o emprego X ou quando casarem as coisas serão diferentes e mudarão. Sim mudarão mesmo. Essas pessoas tem razão. Mas nenhuma dessas mudanças será por sua escolha. Essas mudanças serão realizadas de acordo com a decisão de outras pessoas pois quando colocamos nossas vidas nas mãos de outros temos que aceitar a mudança que vier. Temos que aguentar as consequências e circunstancias criadas por outras pessoas que muitas vezes não estavam em nossos planos e o que é pior: temos que lidar com situações que muitas vezes não estávamos preparados. 
Algumas pessoas enxergam nisso uma oportunidade outras um desafio tão grande que perdem as forças e desenvolvem problemas psicológicos ou desanimo profundo. 
É... seja consciente ou inconscientemente tomamos decisões e fazemos escolhas o tempo todo. Até quando colocamos nossas vidas nas maos de outras pessoas, isso é uma escolha, mas cabe a nós sabermos se iremos aguentar o que está por vir.

Já vi algumas mulheres dizer: "quando eu casar, vou parar de trabalhar, pois ele vai trabalhar e eu vou somente cuidar das crianças." Ledo engano. É aí que elas começam a trabalhar ou porque se separam ou porque a renda não sustenta tudo que se deseja ou simplesmente porque ele não consegue emprego. Imagino o tamanho da frustração dessas mulheres. Mas perceba que colocar sua vida nas mãos de outra pessoa, você está totalmente vulnerável. 

Não se cobre, não se culpe e não jogue todos os seus problemas para os outros. Aceite sua vida e faça dela o espelho das suas decisões.

=)